Blog

16/11/2018 - Orgânicos

APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS

1542389312_iaraaproveitamento.png

APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS E COMBATE AO DESPERDÍCIO

E onde há atitudes há belas transformações... Já parou para pensar como o fato de se alimentar abrange mais que apenas comer a sua refeição?! De onde vem o que está no teu prato? Onde está aquilo que não foi utilizado? E pra onde vai aquilo que sobrou?! Perguntas intrigantes que nos tornam mais conscientes, críticos e necessitados de mudança! 
De acordo com a FAO (agência das Nações Unidas preocupada em erradicar a fome), 54% do DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS no mundo ocorre na fase inicial da produção, que é composta pela manipulação pós-colheita e pela armazenagem. Os outros 46% do desperdício, de acordo com a mesma fonte, ocorrem nas etapas de processamento, distribuição e consumo.
Uma pesquisa feita pela Unilever, chamada World Menu Report, afirma que 96% dos brasileiros se preocupa com desperdício de alimentos, uma porcentagem alta em comparação à Alemanha (79%), aos Estados Unidos (77%) e à Rússia (69%). Porém, o que é contraditório é que o BRASIL POSSUI UM DOS MAIORES ÍNDICES DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS DO MUNDO, com 40 mil toneladas de alimentos que vão para o lixo todo dia. Segundo a ONG Banco de Alimentos (organização que busca combater a fome e o desperdício de alimentos), CADA BRASILEIRO DESPERDIÇA MAIS DE MEIO QUILO DE ALIMENTO POR DIA! A redução dos índices de perda e desperdício de alimentos ainda é uma questão essencial e no Brasil, dos 268,1 milhões de toneladas de alimentos disponíveis no País em 2013, 26,3 milhões, ou quase 10%, foram perdidos, segundo levantamento da FAO. Diante deste quadro, tornam-se imprescindíveis não apenas medidas do poder público, mas também a conscientização da própria população sobre a necessidade de novos hábitos de consumo.
Os resíduos vegetais descartados, habitualmente, não fazem parte do nosso cardápio, muitas vezes por falta de informação e conhecimento dos benefícios desses alimentos e das formas corretas de preparo. A utilização de cascas, folhas e talos pode diminuir os gastos com alimentação, melhorar qualidade nutricional das refeições e reduzir o desperdício de alimentos.
Dessa forma, deve-se aproveitar tudo o que o alimento possa oferecer como fonte de nutrientes. A ALIMENTAÇÃO INTEGRAL possui como princípio básico a diversidade de alimentos e a complementação de refeições com o objetivo de reduzir o custo, proporcionar preparo rápido e oferecer paladar regionalizado. Somente com a conscientização da população, por meio da educação nutricional, é que se poderá mudar o cenário e reverter o quadro alimentar atual do Brasil.
O aproveitamento integral dos alimentos é uma alternativa capaz de propiciar às pessoas um melhor consumo nutricional, melhoria da economia relacionada aos alimentos e a relação ecológica entre o ser humano e o meio ambiente em que vive, uma vez que o aproveitamento tem como conseqüência a redução do lixo. Através do aproveitamento das partes comumente inutilizadas, é possível não só alimentar um número maior de pessoas, mas também reduzir as deficiências nutricionais que possam existir, uma vez que, boa parte dos alimentos desperdiçados contém nutrientes com alto valor nutricional.
Além disso, o aproveitamento integral dos alimentos assume, pois, uma postura de consumo consciente das partes antes descartadas de muitos alimentos, promovendo a prática do exercício da cidadania nas relações entre o homem e o meio ambiente, levando-se em consideração aspectos culturais, econômicos, nutricionais, tecnológicos e ecologicamente corretos.
A primeira etapa seria, sempre que possível, optar por alimentos produzidos localmente, uma vez que estes não sofrem (ou sofrem menos) as perdas do transporte e da degradação.
Outra forma de evitar desperdício é optar por consumir Pancs (Plantas alimentícias não-convencionais), pois essas são uma alternativa às monoculturas e muitas vezes nascem naturalmente em casa ou nas proximidades, podendo ser colhidas na hora do uso, ou pouco tempo antes, evitando-se também perdas de transporte a longa distância e degradação pelo armazenamento.
Cascas, talos e sementes, partes vistas como “menos nobres” dos alimentos têm grande valor nutritivo e podem ser aproveitadas sim! Elas são ricas em vitaminas (especialmente A e C), minerais (principalmente ferro e potássio) e outros nutrientes. Aproveitar integralmente os alimentos faz bem, melhor ainda se for de origem orgânica, onde sua riqueza em compostos bioativos se sobrepõem junto de todos os nutrientes e sabor que as destacam numa melhor absorção no seu organismo.
Outra alternativa é compostar seus resíduos orgânicos. Assim, em vez de virar “lixo” e ocupar espaço em aterros e lixões, ele vira húmus e servirá de insumo, inclusive, para você doar ou começar a plantar localmente em algum espaço compartilhado com vizinhos.
Você também evita o desperdício de alimentos desenvolvendo suas habilidades culinárias ao transformar cascas, raízes e sementes em preparações vistosas, nutritivas e de sabor único! Você já pensou em comer cascas de abacaxi, ou sementes de abóboras feito em casa, por exemplo?
Há estudos que comprovam a eficácia do desenvolvimento de receitas culinárias caseiras contendo ingredientes normalmente desperdiçados dos alimentos, com o intuito de aproveitar as partes desperdiçadas como bolo de casca de banana. Foram testados o bolo de banana e o bolo de casca de banana quanto à aceitabilidade. O grau de aceitabilidade do bolo de banana foi de 94% e o do bolo de casca de banana foi de 98,8%. Outros resultados obtidos nesse trabalho referem-se ao valor calórico reduzido e maior aporte de fibras do bolo feito com a casca de banana em relação ao bolo feito com a banana apenas.
E por falar em bananas hoje trago duas receitas, onde já se pode aplicar suas habilidades de forma a utilizar integralmente a banana.

SORVETE DE BANANA COM CASCAS
Ingredientes
• 5 bananas nanicas maduras médias (775 g) 
• ¼ xícara (chá) de mel (80 g) 
• 1 lata de creme de leite light (290 g) ou 
• 1 copo de iogurte de kefir dessorado 
Modo de Preparo: Lave e higienize as bananas e congele-as com as cascas. Depois de congeladas, pique as bananas com casca em rodelas finas e coloque no liquidificador junto com os outros ingredientes. Bata até formar uma consistência de sorvete, polvilhe chia, enfeite e sirva imediatamente.

PÃO DE CASCA DE BANANA
Ingredientes
• 6 bananas com casca
• 1 xícara de água
• 1 xícara de iogurte de kefir
• 30g de fermento fresco 
• ½ xícara de óleo 
• 1 ovo 
• ½ pitada de sal 
• ½ kg de farinha de trigo ou ½ kg de mix de farinha para pão sem gluten 
Modo de Preparo: Bater as cascas de bananas e a água no liquidificador. Juntar o óleo, os ovos e o fermento e bater mais um pouco. Acrescentar a farinha, o sal e o açúcar e misture. Por último, colocar na massa as bananas em rodelas. Colocar a massa em uma forma untada com margarina e farinha. Deixar crescer até dobrar de volume e levar para assar em forno pré-aquecido.

* Texto e receitas da Nutricionista Iara Marcondes Blanco, autora da páginaSem Restrições
* Sabia que a Orgânicos São Carlos participa do Programa Mesa Brasil Sesc São Paulo, que coleta alimentos fora do padrão comercial, mas que podem ser aproveitados, e distribui a instituições sociais? Uma iniciativa maravilhosa do Sesc que vale a pena conhecer!

RUA Oscar de Souza Geribelo, 253, Santa Paula (Próximo ao Kartódromo) São Carlos - SP - Tel: (16) 3116-1988 / 9 8188-5650

Segunda a Sexta das 9h às 19h e aos Sábados das 9h às 14h